Acordo com o som das gaivotas e, por segundos, penso que estou em casa; no entanto, e na ausência do som dos navios no porto, apercebo-me que assim não é.
Levanto-me sonolenta e desço as escadas. Lá fora a madrugada teima em aparecer, no jardim o ar da noite lembra um animal selvagem. Sento-me na pedra fria e, por instantes, fecho os olhos e imagino-me a milhares de quilómetros de distância. Indiferentes, as gaivotas continuam a percorrer sem esforço o céu.

6 comentários:

Maria Eu disse...

Gosto de gaivotas. São ruidosas, sim, mas estão ali, bem junto ao imenso mar, numa mistura de sons que me são sempre caros.

Fotos lindíssimas, como sempre! :)

S disse...

Sim...
Obrigada Maria.
:)

Anónimo disse...

com uma caneca de chá na mão? ainda em trajes de noite? com os olhos perdidos no horizonte e uma vontade imensa de voar?

S disse...

:)

UIFPW08 disse...

me gusta ..
Morris

Martim disse...

Belas fotos