A tua voz é vegetal e eleva-se com o vento.
Quero demorá-la, fazer dela uma casa ou um tronco. 
Que seja a minha noite com um ardor de eternidade. 
E a sabedoria de estar entre plantas tranquilas.
António Ramos Rosa

Sem comentários: