dispo-me de ti e parto desta cidade



vês-me? consegues ver-me ainda, aqui, esperando, imagem feita de cinza, beijos vazios dados no ar? na tua pele, a minha boca, perscrutando-te. 
na minha pele, a tua camisa, que teimei em não despir. num gesto de amor desamparado, o teu corpo iludindo o meu. vês-me? vês como continuo a respirar na cadência dos teus abraços invisíveis? vou-me. não quero mais habitar este labirinto, paredes massacradas pela ausência do que fomos, soalhos percorridos por passos imaginados, janelas que não voltaram a abrir. uma porta. vou. não posso mais esperar por ti. abandono a tua vontade à solidão de um último olhar. apanho a mala, fecho a porta, avanço até ao velho elevador. subo. cá fora, o ar frio da manhã acaricia-me o rosto. sei que tenho de partir. a cidade, vazia, fica para trás. a estrada guia-me. a música toca. sorrio. é perséfone quem canta.

obrigada nAnonima 
por transformares tudo isto em palavras

13 comentários:

nAnonima disse...

e tu é que me agradeces?! :b

obrigada pelo carinho e pela oportunidade.

beijo

je suis...noir disse...

Lindas fotos e um texto que representa bem as fotografias!:)

e já agora, a música! Tudo bonito:)

Katherine disse...

É um texto lindo :)

S disse...

nAnonima,
beijos
:)

noir,
obrigada, já sabes!


Katherine,
como não é meu, agradeço pela nAnonima.

P disse...

texto+fotos=!

UIFPW08 disse...

beijos bom fin de semana
Morris

pedro b disse...

gosto bem! :)

S disse...

P,
:)


Morris,
bom fim de semana para ti também.


pedro b,
haja alguém.

pedro b disse...

oh, até parece que sou o único a gostar!

Patife disse...

O Patife gosta disto. Com inspiração da nAnonima tanto melhor. ;)

S disse...

Patife,
A nAnonima tem sido incansável com as minhas manias...
obrigada pela visita
:)

Anne disse...

adoro!

S disse...

Obrigada Anne.
:)