o logro


8 comentários:

Rui disse...

- despacha-te Adérito, que a ressurreição do Tutankhamun está a começar.
- havias de ter a peida dorida do camelo como eu tenho, para ver se andavas mais depressa - respondeu ele entre dentes e entre a multidão que se aglomerava junto da entrada do teatro-pirâmide, cuja fachada estava quase inteiramente coberta por uma tarja onde se podia ler "The Mummies Are Alive".
- sempre a mesma coisa... anda homem! - dada aos cereais e ao pão integral, Francelina tinha-se tornado uma mulher de fibra, valendo-se dela para, encontrão aqui, empurradela ali, ir furando a muralha estrangeira que a impedia de ver o inicio do espetáculo. Adérito, esse, molenga e moído ao fundo das costas, tinha ficado atrás de uns polacos calmeirões que, ao verem a figura que queria passar entre eles, lhe arregalaram os olhos, sendo o suficiente para o paralisar. Indeciso entre o receio de passar para a frente dos polacos e o receio de não se juntar à mulher, Adérito foi arrancado aos seus tormentos por uma mão que o puxou pelo braço. Espantado, viu Francelina a levá-lo na direção da saída.
- Então? - perguntou ele.
- Vamos embora Adérito, que isto é porcaria.
- Era um logro?
- Não. Era parecido com o meu sogro!

ss disse...

Rui,
esta noite sonhei qualquer coisa que metia o Museu do Cairo com a sua esplendorosa sala dedicada ao Tutankhamun e 'dolorosas' viagens de camelo!

:))

Sill Scaroni disse...

Bonito blog !
Gostei de todas as fotos mas essa é especial.
Sill

ss disse...

Obrigada pela visita, sill.
:)

Atena disse...

Lindddoooo Rui! E que luz tem este logro! ;)

ss disse...

atena, 'eles' andam por ai e pensam em tudo...
;)

eugenio vega disse...

muy buena la foto con todos los shooters....

ss disse...

Gracias eugenio.
:)